Meio ambiente e construção: os cuidados necessários

Meio ambiente e construção: os cuidados necessários

A natureza é um bem precioso para toda a humanidade, pois é dela que vem os alimentos e toda matéria-prima utilizada na produção de diversos objetos utilizados no dia a dia. Os cuidados voltados para a preservação do meio ambiente deve constar no planejamento estratégico de qualquer alteração, construção ou reforma, quando se fala em desenvolvimento e expansão da sociedade.

Nos dias atuais, a legislação ambiental serve como parâmetro legal para todos os setores produtivos, atendendo aos interesses da população e com acompanhamento dos mais diferentes setores, entre eles o industrial e do agronegócio.

Entre os elementos da natureza mais compartilhados, a água está entre as necessidades essenciais para a vida de todos.

Por isso, os cuidados voltados para a captação e reposição devem constar em todo projeto, seja ele voltado à construção de condomínios residenciais, comerciais ou industriais.

Impacto ambiental deve constar no planejamento

Durante um longo período, a revolução industrial permitiu a produção em massa de diversos produtos, sem se preocupar com os impactos que a fabricação teria sobre o meio ambiente.

Por conta disso, a poluição foi um dos grandes problemas ao longo do século XX.

No Brasil, a criação da Lei de Política Nacional do Meio Ambiente passou a criminalizar os agentes poluidores, propondo ações de responsabilidade civil relacionados aos danos causados à natureza.

A imposição de recuperação e indenização quanto aos prejuízos relacionados à sociedade foram colocadas em prática e, com isso, estudos de impacto ambiental precisaram ser realizados com a formalização de um relatório ambiental preliminar.

Esse relatório determina o impacto que os projetos irão causar no meio ambiente, levando em consideração agentes poluidores e as ferramentas utilizadas para contornar esse tipo de problema, com soluções plausíveis e funcionais.

A interação do projeto urbanístico e a biodiversidade também devem constar no relatório final, com medidas viáveis para que os elementos possam coexistir.

Os estudos devem ser realizados por uma equipe técnica especializada para identificar a presença de fauna e flora, apresentando maneiras de impactar da menor forma o terreno.

Todo o trabalho pode ser realizado com a aprovação de agentes fiscalizadores, ligados ao poder público e à sociedade civil, seguindo as leis ambientais e a constituição federal.

Somente após a realização desses estudos será possível dar início à obra, de fato.

Apesar disso, com o adensamento populacional, muitas obras ocorrem em áreas ocupadas antes mesmo da formulação das leis específicas no trato de proteção ao meio ambiente.

Para essas áreas, as incorporadoras e construtoras devem solicitar um laudo de vistoria cautelar para constatar a realidade local, identificando, além dos impactos ambientais, a mobilidade urbana e paisagística.

Na prática, esses estudos vão identificar:

  • Estabilidade e conservação de imóveis vizinhos;
  • Anomalias e edificações precárias;
  • Ocupação territorial de acordo com zoneamento municipal;
  • Impactos relacionados ao meio ambiente.

Esse serviço deve ser realizado preventivamente, para que os trabalhos posteriores possam ser executados de maneira correta, como escavações, aterramento, aplicação de sistemas de estabilização, além de identificação do solo e presença de lençóis freáticos sob o terreno.

Projeto deve verificar qualidade da água

Com relação a água e o descarte desse material, os cuidados com o meio ambiente são ainda mais rígidos.

Desse modo, o tratamento de agua residual deve ser realizado com um sistema integrado, inclusive com a possibilidade de reutilização da água voltados para serviços essenciais.

A desinfecção da água, seja ela industrial ou de uma residência, passa por tecnologias aplicadas de maneira eficiente, podendo ser divididas em cloração, ozonização e radiação ultravioleta.

Cada etapa tem uma utilidade na descontaminação dos resíduos de estações de tratamento de água, acabando com vírus e bactérias, diminuindo qualquer tipo de resíduo tóxico e poluente.

Para garantir a possibilidade de recuperação ambiental, as águas coletadas passam por processos físico-químicos, que permitem o descarte em rios, com 98% de pureza, sem interferir na fauna e na flora marinha.

Adaptações no setor construtivo

Esses cuidados são comuns e vão desde fábricas que possuem uma central dosadora de agregados até a rotina dos moradores da residência.

Com isso, as construções e suas etapas, como as voltadas para a fabricação de cimento e argamassa, otimizam o trabalho destinado à construção civil, aumentando a produtividade dos trabalhadores e reduzindo os custos de uma obra.

A automação aplicada na separação de resíduos sólidos serve para que a lavagem final possa ser encaminhada para o tratamento adequado, utilizando os procedimentos mais corretos.

A sociedade está mais consciente quanto à participação no meio ambiente. Até mesmo a escolha de material elétrico para construção é pensado de forma sustentável, com materiais que tem grande durabilidade e podem ser reciclados, quando não tiverem mais serventia.

Desta forma, todos constroem um mundo melhor e mais equilibrado, com respeito à natureza e a todos que dependem dela para viver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *