Entenda o processo de coprocessamento de resíduos

Entenda o processo de coprocessamento de resíduos

O processo de coprocessamento de resíduos está relacionado a uma alternativa transformadora no ramo das indústrias, uma solução definitiva para a destinação de diferentes tipos de rejeitos, oferecendo um descarte útil e adequado aos materiais que não são utilizados na reciclagem. Apresenta-se como forma de lidar com o que, aparentemente, não serve mais para a população. Uma técnica que vem crescendo a cada dia, espalhada nas indústrias pelo mundo, desde o trabalho com a coleta de resíduos, separação, correta destinação, até a disseminação da experiência e da informação, acompanhada de uma conscientização sócio-ambiental da população mundial.

O que fazemos então com a enorme quantidade de produtos que são produzidos, consumidos, e por fim, descartados, sem aproveitamento?
A expressão “coprocessamento” se refere à combinação de dois processos: a queima de resíduos sólidos industriais e a fabricação de certos produtos que exigem altas temperaturas em seus processos produtivos. Esse processo possui uma tecnologia de queima de materiais em fornos de cimento que não geram novos resíduos, colaborando com a preservação dos recursos naturais, por substituir matérias-primas e combustíveis tradicionais no processo de fabricação do cimento. Outra contribuição ocorre através da queima de resíduos sólidos industriais, que substituem o descarte de materiais em aterros sanitários.

Por estar presente, sobretudo, nas indústrias de cimento, o método do coprocessamento proporciona uma gestão dinâmica a partir da grande variedade de resíduos industriais, minimizando também os impactos ambientais de outros ramos de produção. No coprocessamento, os resíduos são destruídos e, matérias primas e combustíveis, são economizados.

Vantagens do processo de coprocessamento de resíduos: uma alternativa ecológica e eficiente!

Compreendendo o processo de coprocessamento de resíduos como uma ideia inovadora e essencial para a harmonia entre a sociedade e a natureza, é possível dizer que é uma ferramenta sustentável para gestão de resíduos. Isso porque possibilita: a preservação das jazidas; eliminação definitiva de resíduos; é ambientalmente correta e segura; serve para resíduos perigosos; minimização de passivos ambientais; substituição de recursos energéticos não renováveis; redução dos prejuízos ambientais das atividades extrativas; queda das emissões de CO2; diminuição efetiva do risco da dengue, com a destruição dos pneus velhos e, consequentemente, os hospedeiros dos mosquitos.

Vale ressaltar que as normas internacionais de qualidade são atendidas, sem contar as diversas oportunidades de fonte de renda, economia de custos de produção nas fábricas e a geração de novos empregos.

Gerenciamento de resíduos industriais: uma forma de organizar o ambiente de trabalho, lado a lado com a sustentabilidade!

A gestão de resíduos envolve uma articulação efetiva entre os diversos departamentos do processo de produção industrial, através de um gerenciamento adequado que considere a redução da geração de resíduos e sua reutilização, de forma a diminuir os custos de operação.

Como Normas de Regulamentação, no Brasil foi criada a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010), que define a ordem de gerenciamento de resíduos industriais sólidos. Portanto, deve-se prioritariamente:

  • Não gerar;
  • Reduzir;
  • Reutilizar;
  • Reciclar;
  • Tratar os resíduos sólidos;
  • Realizar a disposição final dos rejeitos de forma ambientalmente adequada.

Tal legislação também interfere no engajamento das organizações, quanto à importância do cuidado com os efeitos de sua produção e transporte de resíduos. Dentro das normas, têm-se pressionado e motivado empresas a assumirem as responsabilidades pelas consequências ambientais de suas operações – incluindo o impacto ambiental provocado pelos resíduos gerados no processo de produção.

O transporte de resíduos é uma etapa fundamental para o sucesso do processo de coprocessamento de resíduos, quando estão dentro e fora do espaço industrial.
Uma vez que o cuidado com o transporte desses resíduos proporciona uma eficiência na produtividade de cada fábrica, há um ganho para a economia global e um benefício grandioso socioambiental para a população em geral.

Os empresários, donos dos meios de produção, são os principais responsáveis pelas consequências e danos causados ao meio ambiente, uma vez que operam em grande escala. Portanto, é importante que estes cumpram efetivamente os processos, como o coprocessamento de resíduos, e, cada vez mais, construam caminhos e alternativas que minimizem os prejuízos causados ao meio ambiente, sem interferir de forma negativa em sua atuação do mercado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *