Como funciona a perfuração e manutenção de poços artesianos

Como funciona a perfuração e manutenção de poços artesianos

Um poço artesiano produtivo é uma estrutura de importância e valor incalculável, que depende de uma boa construção e cuidados adequados para durar décadas.

Para manter a sua produtividade, garantir a durabilidade e reduzir os custos de manutenção dos poços, é essencial mantê-lo sempre limpo.

É fundamental que o proprietário compreenda que a água costuma incorporar as características químicas das rochas que atravessa até chegar ao poço. Isso pode acarretar a necessidade de cuidados específicos.

Na Região Sudeste do Brasil, por exemplo, o subsolo ferroso pode resultar no aparecimento de ferrugem. A ferrugem pode se acumular nas paredes internas do poço, e até obstruir as entradas de água, interrompendo o fluxo e prejudicando todo o funcionamento do poço.

Essa situação pode ocorrer independente do tipo de perfurador de solo utilizado ou do revestimento empregado no poço, que costuma ser em aço galvanizado, carbono ou inox, ou até mesmo em PVC geomecânico.

É primordial que os proprietários contem com profissionais especializados para todos os processos que envolvem a construção ou manutenção das estruturas, o que está intimamente relacionado à contratação de uma empresa que fura poço artesiano de qualidade, com boas referências no mercado.

7 passos para a perfuração de poço artesiano

Ao contratar uma empresa séria, são grandes as chances de os proprietários alcançarem os resultados desejados com a construção de um poço artesiano.

Entretanto, justamente para ser bem sucedida, é preciso lembrar alguns passos essenciais para a perfuração de poço tubular profundo. São eles:

1. Análise do terreno

O local onde o poço será construído deve comportar todo o equipamento necessário para o seu funcionamento, com pelo menos 8 metros de comprimento por 3 metros de largura.

Para encontrar a água, é primordial um estudo geológico e geomorfológico do local, que precisa ser feito por um profissional. O mapeamento permite a obtenção de informações sobre relevo, tipo de rocha e sedimentos e forma das drenagens da região, fatores importantes para a eficiência do poço.

2. Elaboração do projeto

A perfuração de solo só é feita após a elaboração e aprovação de um projeto, determinando o tipo de poço a ser construído, o tempo de duração da obra, materiais utilizados, entre outros detalhes.

3. Licença de perfuração

É fundamental que as obras atendam às normas legais. Ao garantir a licença de perfuração, o proprietário assegura a captação de água de qualidade, além de realizar um projeto que não agride a natureza.

A licença costuma ter validade de 6 meses, e pode ser expedida mais facilmente com a consultoria de profissionais especializados.

4. Início das obras

geralmente é a profundidade do poço que determina o valor da obra, tempo de duração e o modelo de

perfuratriz utilizada. A captação de água pode ser feita a partir de 12 metros, após atingir o lençol freático. Essa medida ajuda a evitar contaminações e problemas durante secas.

5. Teste de vazão

Após a conclusão da sobras, o teste de vazão atesta tanto a qualidade da água quanto a sua potabilidade. Os testes precisam ser refeitos em caso de alterações significativas na qualidade da água, e devem ser feitos seguindo as normas relacionadas.

6. Instalação da bomba

O resultado do teste de vazão é fundamental para determinar o volume de armazenamento e a capacidade de bombeamento da água. A escolha da bomba ideal é feita com um estudo focado no dimensionamento do poço artesiano.

7. Outorga de uso

A liberação da Outorga (que dá direto ao uso dos recursos hídricos) tem como objetivo garantir o controle quantitativo e qualitativo do uso da água captada. O documento tem duração de 5 anos e precisa ser renovado após esse período.

Manutenção preventiva de poços artesianos

A manutenção preventiva é fundamental para reduzir as possibilidades de interrupções bruscas no fornecimento de água, ajudando a assegurar a durabilidade e a qualidade do poço. Os principais pontos a serem verificados são:

  • Bomba submersa, que pode sofrer vibrações, fluxos ou liberar ruídos;
  • Revestimentos, que podem sofrer com o depósito de ferro nas paredes e filtros;
  • Coluna de bombeamento, que geralmente sofre com problemas de corrosão;
  • Cabos elétricos da bomba desgastados podem favorecer infiltrações de água;
  • Quadro de comando elétrico, que deve funcionar corretamente.

As irregularidades, quando constatadas, exigem ações rápidas de manutenção, a fim de evitar prejuízos maiores, com a inutilização do poço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *