Como é feito o transporte dos resíduos hospitalares?

Como é feito o transporte dos resíduos hospitalares?

Existem alguns tipos de lixo que não podem ser misturados com os restos comuns, pois eles oferecem alguns resíduos tóxicos e contamináveis, que podem acabar resultando em grandes problemas àqueles que entram em contato com eles. Por conta disso, é necessário fazer uma separação rigorosa, evitando os possíveis acidentes no futuro.

Esse é o caso do lixo produzido pela área da saúde. Todos os serviços relacionados a hospitais e farmácias são extremamente importantes para a nossa sociedade, porém eles produzem diversas formas de lixo que podem ser prejudiciais não apenas aos seres humanos, mas também a todos os seres vivos, em geral.

Dependendo do nível de contaminação, pode haver, até mesmo, a morte de algum ecossistema.

Entre os materiais que exigem certo cuidado na hora de fazer descartes estão:

  • seringas;

  • agulhas;

  • frascos;

  • ampola;

  • luvas cirúrgicas;

  • instrumentos usados em cirurgias e operações;

  • ataduras e algodões usados;

  • cateteres e tubos;

  • qualquer coisa que tenha entrado em contato com sangue ou secreções.

Desta forma, os hospitais e farmácias não podem simplesmente jogá-los na cesta de lixo comum. É preciso colocá-los separados em uma caixa de descarte e acionar o serviço de coleta de lixo hospitalar, pois os profissionais desta área saberão como manusear estes restos e aonde levá-los para que eles possam ser devidamente descartados.

 

Como é a classificação?

 

Para entender melhor como funcionam estes produtos, é necessário entender como é a sua classificação. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) estabeleceu 5 grupos diferentes para poder separar melhor os produtos perigosos e saber como transportá-lo. São eles:

  • Grupo A – formado pelos resíduos que possam ter a presença de um tipo de agente biológico, sendo ele infectante ou não;
  • Grupo B – quando existem materiais formados por agentes químicos que são capazes de prejudicar a estabilidade não só da saúde pública, mas também do meio ambiente;
  • Grupo C – resíduos que apresentem altos níveis de radiação;
  • Grupo D – lixos produzidos através das atividades humanas, como papel higiênico e absorventes;
  • Grupo E – materiais cortantes ou perfurantes, como agulhas, bisturis, tesouras hospitalares, entre outras coisas.

 

Antes mesmo de acionar a ANVISA e pedir o envio de um serviço para realizar a coleta seletiva é preciso ter consciência de qual é o tipo certo de produto que está sendo enviado e se eles foram devidamente separados. Eles devem ser armazenados em caixas de contenção, facilmente encontrados em lojas de materiais cirúrgicos.

 

Como é feito o transporte?

 

É importante entender que os próprios funcionários de hospitais, clínicas e farmácias não podem realizar o serviço de transporte de produtos perigosos, pois isso pode trazer grandes danos à saúde de cada um deles.

Precisa-se contratar uma empresa de transporte de resíduos para fazer este trabalho, uma vez que eles contam com toda a estrutura e suporte para este tipo de atividade, sem oferecer riscos aos profissionais encarregados.

A começar pelo veículo, todos eles devem contar com sinalização e indicação de que ele está transportando produtos contamináveis, ou radioativos, ou inflamáveis.

Tudo vai depender de sua categoria correta, mas, de qualquer forma, essa sinalização é importante e faz parte do kit de emergência para produtos perigosos.

Essa sinalização é importante, pois o transporte desses produtos, principalmente quando chegam a âmbitos rodoviários, deve ser feito com muito cuidado.

Acidentes envolvendo veículos que fazem esse transporte podem ser fatais para o meio ambiente e para as pessoas que vivem na região, uma vez que isso pode ocasionar em contaminações, explosões, entre outras coisas.

Além disso, a caixa de contenção deve ser transportada dentro de uma cabine isolada, evitando o contato do motorista com os materiais transportados por ele.

O profissional responsável pelo transporte deverá estar devidamente uniformizado e utilizar todos os equipamentos de proteção individual (EPIs), como as luvas de borracha, para evitar que os itens cortantes possam perfurar as embalagens e acabar infectando as suas mãos.

O não cumprimento de todas as normas necessárias para o descarte correto e consciente de resíduos hospitalares e perigosos pode levar ao recebimento de multas, também podendo causar o fechamento do local até que tudo esteja estabilizado.

A ANVISA visitará regularmente o local para conferir se as caixas de descarte estão devidamente instaladas no estabelecimento e, ainda, verificarão se está havendo periodicidade no envio destes produtos através das empresas de transporte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *